6 compositores negros que fizeram música para cinema

quilombo

No Brasil, novembro é considerado o mês da Consciência Negra. A data é uma homenagem a Zumbi, líder do quilombo dos Palmares, que morreu em 20 de novembro de 1695, quando a população negra ainda era escravizada por aqui. Desde a sua morte, ainda tivemos que esperar 193 anos até a escravidão ser abolida por uma lei nacional.  

Outro país muito conhecido por também ter praticado a escravização de pessoas negras é os Estados Unidos da América. Assim como aqui, lá, a escravidão foi uma realidade por mais de trezentos anos. Apesar das diferenças em termos de desenvolvimento, Brasil e EUA são países bastante parecidos quando o assunto é inclusão social do negro, ou melhor dizendo, a não inclusão. Em nenhum dos dois países houve uma política real de valorização e inserção do negro na sociedade.

A indústria do cinema é uma das que persistem na manutenção da má herança de segregação dos negros e de outras minorias sociais. Um exemplo disso é que em 2016 nenhuma atriz ou ator negro foi indicado ao prêmio do Oscar, causando grande indignação na comunidade artística negra. Em 2017, o cenário melhorou um pouco e os prêmios de coadjuvante foram para Viola Davis (Um Limite Entre Nós, 2016) e Mahershala Ali (Moonlight: Sob a Luz do Luar, 2016).

No cinema brasileiro não é diferente, uma pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro mostra que apenas 20% dos atores principais de filmes, entre 2002 e 2014, eram negros. Entre os diretores e roteiristas foi ainda pior, apenas 2%.

Se aprofundarmos nossas buscas, constataremos que quase não há negros nos cargos por detrás das câmeras, é o caso dos compositores e produtores de trilha sonora.

A lista seguinte apresenta seis compositores negros que produziram trilhas para filmes. No universo dominado por homens brancos, precisamos exaltar a diversidade.

1. Quincy Jones

1quincyjones

Quincy Jones é arranjador, compositor e produtor musical. Ele nasceu nos EUA e tem 84 anos de idade. Muito conhecido por sua parceria de sucesso com Michael Jackson, Quincy produziu os álbuns Off The Wall (1979), Thriller (1982) e Bad (1987), com destaque para Thriller que vendeu 100 milhões de cópias e é um dos discos pop mais aclamados de todos os tempos.

Nos anos 1960, Quincy compôs a sua primeira trilha sonora para filmes, essa é a trilha do filme O Homem do Prego (The Pawnbroker, 1964), estrelado por Rod Steiger. Uma das músicas presentes no filme é Soul Bossa Nova, que anos mais tarde foi incluída na trilha sonora da série de filmes Austin Powers (1997).

Quincy foi o primeiro negro a ser indicado a um Oscar de melhor canção original por The Eyes of Love, do filme Um Homem em Leilão (Banning, 1967). Em 1986, foi novamente indicado ao Oscar, dessa vez pelo filme A Cor Púrpura (The Color Purple, 1985), concorrendo a dois prêmios: um pela trilha sonora e o outro pela canção original Miss Celie’s Blues. Além das participações em Oscars, Quincy ostenta em seu currículo 79 indicações ao prêmio Grammy, saindo 27 vezes vitorioso e com um prêmio especial.

2. Isaac Hayes

Waterfront Blues Festival

Isaac Hayes foi cantor e compositor até sua morte em 2008, aos 66 anos de idade. Ele também atuou em alguns filmes e foi dublador.

Como compositor de trilhas sonoras, Isaac foi o primeiro negro a ganhar um prêmio Oscar em categoria de não-atuação e o terceiro entre todas as categorias. O prêmio foi concedido a ele pela canção original Theme from Shaft do filme Shaft (1971), dirigido por Gordon Parks. Shaft é um filme do gênero conhecido como blaxploitation, os filmes desse gênero são dirigidos e protagonizados por negros e tratam de temáticas que dizem respeito à vida dos negros americanos.

Nos anos 2000, Quentin Tarantino usou a canção Truck Turner, composta por Isaac para o filme homônimo de 1974, em sua produção Kill Bill (2003).

3. Stevie Wonder

Stevie Wonder é cantor, compositor e instrumentista reconhecido como um dos maiores músicos em atividade no mundo. Assinou com uma gravadora aos 11 anos de idade e atualmente, com 67, ainda integra o mesmo selo. Stevie é recordista em prêmios Grammy, ganhou 25 vezes.

Nos anos 1980, Stevie começou a compor para trilhas sonoras de filmes. Em 83, ele gravou Stay Gold, composição dele e de Carmine Coppola, para o filme Vidas Sem Rumo (The Outsiders, 1983). Já em 84, foi responsável por toda a trilha do filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red, 1984) pela qual ganhou o Oscar de canção original com I Just Called to Say I Love You.

4. Terence Blanchard

Instrumentista e compositor, Terence Blanchard  é um músico americano de jazz de 55 anos. Desde os anos 90, trabalha regularmente colaborando em trilhas sonoras de filmes. O primeiro deles foi Febre da Selva (Jungle Fever, 1991) que iniciou sua parceria com o diretor Spike Lee. A trilha é assinada por Stevie Wonder. Ele aparece ainda nos créditos de Malcom X (1992), A Última Noite (25th Hour, 2002) e Milagre em St. Anna (Miracle at St. Anna, 2008), dentre outros.

5. Prince

PEOPLE PRINCE

Prince foi cantor, ator, compositor, instrumentista e produtor musical até o fim de sua vida aos 57 anos, em 2016. Dentre os 35 álbuns que lançou em sua carreira, o que mais fez sucesso foi Purple Rain. O disco de 1984 foi a trilha sonora do filme de mesmo nome estrelado pelo próprio Prince. No ano seguinte, Prince ganhou o Oscar de melhor canção original pela música título do filme.

6. Gilberto Gil

Gilberto Gil é cantor, compositor e instrumentista, além de já ter exercido o cargo de Ministro da Cultura do Brasil. Nascido em Salvador, Gil tem 75 anos e é um dos artistas mais representativos da música popular brasileira.

Sua experiência com trilhas sonoras de filme começou ainda na década de 1970, quando foi convidado pelo cineasta Rogério Sganzerla para compor a trilha do filme Copacabana Mon Amour (1970). Em 84, Gil compôs a trilha do premiado filme Quilombo (1984) que aborda a vida de Zumbi.

Outros trabalhos de Gil em filmes incluem Um Trem para as Estrelas (1987), o candidato brasileiro ao Oscar de 87 e Eu, Tu Eles (2000), pelo qual concorreu ao prêmio de melhor trilha no Grande Prêmio Cinema Brasil.

E aí, você conhece as músicas desses caras? Comente aí embaixo!

Se você quer apoiar o Take148 com 1 real, leia nossa campanha no apoia.se

Quem escreveu

Joamila Brito
Gosta de histórias fantásticas e ficção científica bem humorada. Assiste terror com moderação, pois nunca se sabe quando os fantasmas resolvem aparecer. E troca qualquer blockbuster por um filme gravado no interior do Brasil.