Review: Shaw está de volta em um louco ‘Person of Interest’

'6741' equilibra romance e tragédia enquanto nos leva para uma aventura

Críticas anteriores: 5.1 | 5.2 | 5.3

Comentários sobre Person of Interest de ontem à noite porque é uma droga quando tentam te queimar com um ferro de passar…

Se 6741 foi um choque para mim, imagino para quem acompanha Person of Interest desde o início. Ainda que a trama principal não tenha avançado muito, essa foi uma hora espetacular de televisão, uma mistura de ação, romance e tragédia que provocou um efeito para lá de real, independente dos seus 20 segundos finais.

Se essa foi a muito esperada volta de Shaw para os fãs, para mim foi uma introdução interessante à personagem. Tenho certeza que sai de 6741 com a impressão certa: achando ela uma fodona e querendo que ela tire logo os oclinhos de realidade virtual e se junte ao Time Máquina para valer. Se a cena quente entre Root e Shaw foi a culminação de anos de tensão sexual, para mim foi só um começo que me deixou querendo mais (o que quer dizer que provavelmente vou ser decepcionada). E se 6741 foi uma rima visual com o aclamado If-Then-Else, eu quase quero que PoI termine logo para poder assistir a série desde o começo.

Não sei se vocês sacaram antes do fim que todo o episódio tinha sido um sonho, mas a série se esforçou para esconder o segredo final. Tivemos cenas de outros personagens conversando, como Reese e Root, Greer e Lambert, e só depois percebemos que elas faziam sentido porque Shaw estava escutando de alguma forma. Se dois personagens importantes morreram, ao mesmo tempo que balõezinhos de “WTF?” pairavam sobre minha cabeça, eu lembrava do monólogo apocalíptico da Root na season première. Aquilo poderia ser um truque, mas eles avisaram, então podemos esperar mortes, mesmo que não possamos prever como elas vão acontecer.

Eu não esperaria que Shaw fosse uma romântica, mas quando ela precisou escolher entre a própria vida e a vida de Root, se matar foi o gesto mais romântico do mundo. E saber que ela o fez todas as outras 6740 vezes foi comovente. Claro que não sabemos se Root reagiria na vida real como agiu na simulação da Samaritan, mas foi um toque sutil que ela tenha escolhido ignorar tudo que parecia estar errado com Shaw por causa do que sentia por ela. Root diz a Reese que ela está se comportando de forma estranha (ela nunca faria aquela parada na mesa da cozinha?), mas ela ainda prefere confiar que Shaw faria a coisa certa caso chegasse ao confronto. Depois de tanto fritarem seu cérebro obrigando-a reviver aquele dia 6741 vezes, talvez Shaw não seja mais Time Máquina, mas ela definitivamente é Time Root e definitivamente não é Time Samaritan.

Com o tempo, eu aprendi a apreciar a arte dos episódios “bolha”, que acontecem quase que em um universo paralelo das séries sem necessariamente avançar o arco central, e também das sequências de sonhos, que na maioria das vezes parecem perda de tempo. 6741 prova que mesmo em uma temporada de 13 episódios, ainda há espaço para as duas coisas se elas forem feitas assim, beirando a perfeição. The Leftovers fez com International Assassin e Mad Men fez com Mystery Date. E agora Person of Interest se junta a essa honrada lista. Não é pelo choque final, e a revelação nem é a parte mais importante da viagem. O que faz o desvio valer a pena é a investigação da psique da personagem. Shaw é incentivada a fazer o mal, ela continua apagando e acordando com armas na mão. Mas ela também continua a tentar enganar a Samaritan, descobrindo que o chip era um placebo e estourando seus miolos. A repetição deveria fazer com que Shaw virasse cada vez mais um robô do mal, mas talvez esteja surtindo o efeito contrário: cada vez que recomeça, ela sabe um pouco mais sobre como trapacear o jogo. Mesmo que ela ainda não tenha achado a saída.

6741 é meu episódio preferido de Person of Interest até agora. Foi uma provocação, uma amostra de quão desafiadora a série pode ser quando não está presa ao formato do procedural clássico. Só resta saber se é possível superá-lo.

https://www.wedgies.com/question/573b45526f39301d0040bc44

RECOMENDADAS

Os 10 melhores quadrinhos de 2018

Política, religião, racismo, intolerância, guerra, aventura, terror, amor: essas são as melhores HQ’s de 2018.

Shopping Basket