Review: ‘Person of Interest’ está de volta com os casos da semana

Reese tem que lidar com o passado em 'Truth Be Told'

Críticas anteriores: B.S.O.D. | SNAFU

Comentários rápidos sobre Person of Interest de ontem à noite porque tive que fazer um pit-stop no banheiro masculino…

Nem só de mitologia vive a última temporada de Person of Interest. E em uma temporada com 13 episódios, é difícil argumentar que o “número da semana” seria indispensável. Truth Be Told não está no nível dos dois primeiros episódios, mas tem partes divertidas e participações especiais suficientes para justificá-lo. Ainda assim, parece que demos uma pausa no que a história tem de mais interessante, e já anseio para que o próximo retorne aos dilemas existenciais da relação humanos vs. IA’s.

Apesar de a história principal se arrastar um pouco, foi bom ver Keith David como antigo chefe de Reese. David é um ator fantástico, e é sempre um ganho para qualquer série. Não ficou claro se ele vai voltar a aparecer, mas seria bom que o Time Máquina tivesse um contato na CIA que não insista em matá-los. Darren Goldstein (atualmente mal utilizado em The Affair) também não decepcionou como o agente acusado de traição, e eu sempre me surpreendo com os diferentes graus de ameaçador que ele consegue ser a cada papel. E eu adoraria ver mais flashbacks de Reese trabalhando com Annie Parisse (basta assistir PoI desde o início, certo?).

A trama com Finch e Root serviu para incluir a Samaritan no episódio, e concentrou o humor de Truth Be Told. O poema de Emily Dickinson codificado pela Máquina deu um toque especial sugerindo traços ainda mais humanos no sistema. Já é difícil quando humanos se comunicam por metáforas, computadores então… Mas já que Root conseguiu interpretar a mensagem, aparentemente o malware instalado vai iniciar o arco da volta de Shaw. Um detalhe da experiência de não ter visto as temporadas anteriores: não sei quem é Shaw e porque ela importa, mas esses três episódios já foram o suficiente para me deixar ansiosa para conhecê-la.

O que vocês acharam? Não sejam irrelevantes, comentem!

RECOMENDADAS

Os 10 melhores quadrinhos de 2018

Política, religião, racismo, intolerância, guerra, aventura, terror, amor: essas são as melhores HQ’s de 2018.

Shopping Basket