Ouvindo o Filme: Cidade de Deus

Cidade-de-Deus

Quem não gosta de samba? Bom sujeito é ou não é. Para ambos os gostos, a trilha sonora do premiadíssimo Cidade de Deus (2002), filme dos diretores Fernando Meirelles e Katia Lund, é uma excelente pedida. Antônio Pinto e Ed Côrtes usaram o melhor do seu talento para fabricar a trilha, que é um misto de composições originais mais canções brasileiras e internacionais populares nas décadas de 1960-70.

Antônio Pinto respira os ares dos filmes desde a juventude. Aos 17 anos, quando ainda queria estudar bateria, foi estagiário do pianista Philip Glass, indicado ao Oscar por Notas Sobre um Escândalo (Notes on a Scandal, 2006). Alguns anos depois estreou em Menino Maluquinho – O Filme (1994), adaptação da obra original de Ziraldo (que coincidentemente, ou não, é seu pai). A partir de então se tornou um compositor assíduo e requisitado nas produções cinematográficas brasileiras e estrangeiras. Antes de Cidade de Deus, havia participado de Central do Brasil (1998), outro filme brasileiro aclamado pela crítica e pelo público. Mais recentemente, Antônio compôs as trilhas de Trash – A Esperança Vem do Lixo (Trash, 2014) e Amy (Amy: The Girl Behind The Name, 2015).

Do avô flautista, Ed Côrtes herdou a predileção pelos instrumentos de sopro e da avó que tocava violino no cinema, a imersão na sétima arte. Além dos avós, os pais de Ed também são músicos, assim como sua irmã. Desde criança, ele toca instrumentos musicais, começando pelo piano até o saxofone, o instrumento que mais lhe encantou. Sua carreira compondo trilha sonora de filmes está bastante ligada à de Antônio Pinto, pois muitos de seus trabalhos foram em conjunto, alguns dos mais conhecidos são: Abril Despedaçado (2001) e O Amor nos Tempos do Cólera (Love in the Time of Cholera, 2007). Seu trabalho mais recente nas telonas foi na trilha de A Despedida (2014).

Antônio e Ed compuseram 8 músicas para o filme. Em todas elas, os instrumentos de percussão são bastante valorizados, assim como os metais, o resultado é um samba-funk presente nos momentos importantes da narração. A música, que segue a clássica cena em que o já crescido Dadinho apresenta o seu novo nome, foi batizada de Meu Nome é Zé, ela é a primeira faixa do álbum City of God.

Dentre as músicas do cancioneiro popular brasileiro, escolhidas para integrar a trilha sonora de Cidade de Deus, podemos encontrar duas das músicas mais importantes da carreira do poeta das rosas, Cartola. A primeira delas é Preciso me Encontrar, que apesar do enorme sucesso na voz do cantor, é de autoria de outro famoso sambista, o Candeia. A canção que embala o romance de Berenice (Roberta Rodrigues) e Cabeleira (Jonathan Haagensen), na primeira parte da história, trata do drama pessoal vivido por Candeia. O compositor era policial civil, mas teve que se aposentar após receber cinco tiros em uma discussão de trânsito e ficar paraplégico. Sua vida a partir de então foi marcada pela contínua depressão que o inspirou a escrever muitas canções amarguradas, como Preciso me Encontrar.  Na contramão da música anterior, Alvorada evoca o bem-estar que o morador do morro encontra nas coisas simples. A composição faz parte do lado B do primeiro álbum de estúdio gravado por Cartola, em 1974, quando ele tinha 65 anos de idade. Cartola, o álbum, é o número 52 na lista dos 100 maiores discos da música brasileira, mantida pela revista Rolling Stone.

20534361

Na Rua, na Chuva, na Fazenda foi um grande hit das discotecas brasileiras na década de 1970. A música é de composição de Hyldon, um dos principais nomes do soul brasileiro, ao lado de Tim Maia e Cassiano. A canção, popularizada com o título Casinha de Sapê, virou sucesso antes mesmo do disco que a lançou estar pronto e à revelia de Hyldon e dos produtores envolvidos na preparação do álbum. Ao som de Casinha de Sapê, o casal Angélica (Alice Braga) e Bené (Jonathan Haagensen), irmão de Cabeleira, se apaixonam.

Os bailes de aniversário de Zé Pequeno (Leandro Firmino) e de despedida de Bené, são recheados de músicas internacionais populares nas casas noturnas nas décadas de 1960-70, período em que se passa a trama. Uma delas é Get Up I Feel Like Being Like a Sex Machine ou, simplesmente, Sex Machine, de James Brown. O clássico da música funk foi lançado originalmente em 1970. A outra voz da música é de Bobby Bird, integrante da The J.B.’s Band, nova banda de James Brown na época. Sex Machine foi tão influente na vida de James que permaneceu em seu repertório até o fim da carreira, nos anos 2000. Outra das músicas dos bailes que vale a pena citar é Kung Fu Fighting do jamaicano Carl Douglas. Carl a compôs despretensiosamente em um período de explosão dos filmes chineses de artes marciais, usando o riff oriental, um fraseado musical composto no ocidente para se referir às coisas do oriente, e deu certo. Carl foi o primeiro jamaicano a figurar nas paradas de sucesso norte-americanas.

No início da terceira parte do enredo de Cidade de Deus, Mané Galinha (Seu Jorge) se junta ao bando de Cenoura (Matheus Nachtergaele), então Wilson Simonal anuncia a volta à Pilantragem em Nem Vem que Não Tem. A Pilantragem aí citada foi um movimento cultural surgido no final da década de 1960 que se auto definia como “a apoteose da irresponsabilidade consciente”. A letra de Nem Vem que Não Tem é de autoria de Carlos Imperial, enquanto a música foi feita por Wilson Simonal e sua banda nas gravações do programa Show em Si… Monal da TV Record, em 1967.

A música negra da década de 1970 é bastante explorada pelos organizadores da trilha, pois, sem dúvida, é um instrumento de representatividade para os personagens principais do filme. Sendo assim, Tim Maia não poderia ficar de fora, duas de suas músicas estão presentes. A primeira a ser ouvida, quando Buscapé (Alexandre Rodrigues) percebe que perdeu Angélica para Bené, é Azul da Cor do Mar. A canção está no álbum clássico Tim Maia, lançado em 1970, o número 25 da lista de melhores brasileiros da Rolling Stone. Em No Caminho do Bem, Tim traz a ideologia Racional para a sua carreira profissional. No filme, a música é ouvida em seu desfecho, deixando uma mensagem de esperança (por que não?) para os espectadores.

Nos créditos finais, Seu Jorge deixa de ser o ator para ser o cantor. Convite para a Vida é uma das canções originais de Antônio e Ed e com ela se encerra a saga conflituosa das primeiras gangues da Cidade de Deus.

Um dos instrumentos musicais mais ouvidos durante todo o filme é a cuíca, ela chora lamentando a tragédia e grita de euforia nos momentos felizes. E quando ela para é porque tudo o que nós conhecíamos deixou de existir, ou melhor, quando ela dá um tempo. Pois como todos sabemos, malandro não para, malandro dá um tempo.

Para ouvir toda a trilha sonora de Cidade de Deus, acesse a Playlist oficial do Ouvindo o Filme no Spotify.

Quem escreveu

Joamila Brito
Gosta de histórias fantásticas e ficção científica bem humorada. Assiste terror com moderação, pois nunca se sabe quando os fantasmas resolvem aparecer. E troca qualquer blockbuster por um filme gravado no interior do Brasil.