Ouvindo o filme: O Fabuloso Destino de Amélie Poulain

22

Sabe-se que, no mundo dos negócios, assistentes e estagiários são pouco consultados por seus superiores. Felizmente, Jean-Pierre Jeunet, diretor de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001), prestou atenção nas predileções de sua equipe. Foi por acaso, enquanto um estagiário da equipe de filmagem ouvia algumas músicas no carro, que Jeunet conheceu e se encantou pelo trabalho de Yann Tiersen. A princípio, o compositor britânico Michael Nyman é quem cuidaria da trilha sonora, mas como o contrato não se efetivou, Jeunet logo comprou os direitos de algumas músicas de Tiersen e o escalou para compor especialmente outras canções para a produção.

Yann Tiersen é um músico multinstrumentista e compositor de grande talento. Sua formação é clássica, principalmente em piano. Seguindo uma tendência de muitos músicos com essa trajetória, Tiersen tocou em algumas bandas de rock na década de 1980. Paralelo ao seu trabalho nos palcos, começou a compor trilhas para peças de teatro e filmes na década de 1990.

33

A maioria de suas músicas na trilha de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain é um apanhado de composições presentes em seus três primeiros álbuns da carreira solo, lançados antes de 2001. Quando Jeunet conheceu o músico, ele estava gravando seu quarto CD. O diretor ficou tão impressionado que também inseriu no filme canções desse álbum, ainda em fase de construção. Além disso, algumas músicas, como La Valse d’Amélie e Comptine d’um autre été: L’après-midi, foram feitas especialmente para a história protagonizada por Audrey Tautou.

A variedade de instrumentos musicais usada na execução das canções merece destaque. O piano dialoga com o acordeom, harpa e vibrafone, dentre outros. Em um momento é perceptível a experiência feita até com um pneu de bicicleta. O acordeom é um segundo narrador durante todo o filme. Quando as palavras não cabem em uma cena, ouvimos o resfolegar desse instrumento quase vivo, naturalmente, abrindo caminho para que passemos.

A trilha sonora de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain também conta com composições que não são de Tiersen. São elas: Adagio for Strings, de Samuel Barber (que não está na lista oficial), Guilty e Si tu n’étais pas là, as únicas não instrumentais, conferindo assim o peso da palavra dita à trilha. Guilty é uma música da década de 1930, composta pelos americanos Richard A. Whiting e Harry Akst. Desde então, ela já foi regravada por mais de uma dezena de intérpretes. A voz escolhida para a trilha foi a de Al Bowlly, mesmo não sendo a versão mais popular. Si tu n’étais pás là é interpretada pela cantora francesa Fréhel, que fez sucesso no período entre guerras. A música toca na cena em que Amélie e Nino (Mathieu Kassovitz) se avistam pela primeira vez. Palavras ditas para um casal que nunca chega a realmente trocá-las durante o filme.

 

Onde encontrar

O álbum Amélie from Montmartre, trilha sonora do filme, pode ser ouvido gratuitamente no Spotify.

Quem escreveu

Joamila Brito
Gosta de histórias fantásticas e ficção científica bem humorada. Assiste terror com moderação, pois nunca se sabe quando os fantasmas resolvem aparecer. E troca qualquer blockbuster por um filme gravado no interior do Brasil.