9 filmes sobre futebol dos finalistas da Copa 2014

8

A Copa das Copas acabou e vai deixar saudades. Dessa vez não deu pra seleção canarinho, mas a gente ainda vai ter muito o que comemorar. E pra quem achou que cinema não tinha nada a ver com futebol, aí vão alguns golaços dos finalistas da Copa 2014, que além de vibrarem nos gramados, também fazem questão de trazer o amor ao futebol para as telonas.

 Alemanha

1

O Milagre de Berna
Das Wunder von Bern

Com Louis Klamroth, Peter Lohmeyer
De  Sönke Wortmann, 2003

Nessa Copa a grande campeã Alemanha brilhou, mas após o fim da Segunda Guerra Mundial, os tempos eram outros. Os germânicos ficaram de fora da Copa de 1950, e portanto, 1954 marcou a volta da seleção da Alemanha Ocidental à competição. É nesse contexto que Richard, um mineiro alemão, retorna para casa depois de passar 11 anos como prisioneiro de guerra na Sibéria. Com a Alemanha dividida e desestabilizada, ele encontra sua família bem diferente de quando a deixou. Sua mulher construiu um pequeno negócio, seu filho mais velho flerta com os ideais comunistas, a menina adora os soldados ingleses e o caçula, Matthias, que nasceu depois da prisão do pai, é apaixonado por futebol e fascinado pelo craque Helmut Rahn, jogador do Rot-Weiß Essen. Aos poucos Richard se reintegra à sociedade e à sua própria família, e passa a partilhar com Matthias a paixão pela bola. Uma noite antes da final, pai e filho partem juntos em uma viagem de carro em direção a Berna, capital da Suíça, onde a partida aconteceu.

O final desse filme alguns já sabem: a Alemanha levou a taça, vencendo a favorita Hungria por 3-2, à seis minutos do apito final, e o momento histórico, que ficou conhecido como o Milagre de Berna, foi o pontapé inicial para a recuperação da economia e política do país.

2

Lições de um Sonho
Der Ganz Große Traum

Com Daniel Brühl, Burghart Klaußner, Justus von Dohnányi, Thomas Thieme
De Sebastian Grobler, 2011

Se hoje o futebol alemão é um dos melhores do mundo, se deve muito a Konrad Koch, professor de línguas de uma escola de ensino médio que escreveu a primeira versão alemã das regras de futebol e ainda organizou a primeira partida do esporte no país, disputada entre os próprios alunos da escola. Com alguma liberdade, o filme resgata esse período da vida de Koch e retrata os primeiros sinais do que viria a ser uma paixão nacional. O que começa como um truque para despertar nos meninos o interesse pela língua inglesa e pela cultura americana acaba tomando proporções bem maiores, inclusive gerando conflitos entre alguns colegas conservadores do professor, pais dos alunos e autoridades locais, que não concordam com os métodos liberais de Koch.


 Argentina

3

Um Time Show de Bola
Metegol

De Juan José Campanella, 2013

Inspirada em um conto do escritor argentino Roberto Fontanarrosa, a animação argentino-espanhola é um deleite não só para o público infantil, mas também para qualquer um que já se arriscou em um jogo de pebolim (ou totó). Na história, o tímido Amadeo vence o valentão Ezequiel no futebol de mesa, criando no garoto uma sede de vingança que duraria anos. Agora adulto, Ezequiel é apontado como um dos melhores jogadores da história e quer transformar a pacata cidade de seus tempos de criança em um gigante parque temático. Valendo o destino do povoado, o craque desafia Amadeo para uma partida no campo, onde tem certeza de sua vitória. O que eles não esperavam é que os pequenos jogadores do pebolim tomassem vida própria para, juntos, montarem um time de campeões para defender a vila, a honra de Amadeo e principalmente o espírito de equipe.


 Holanda

4

A Outra Final
The Other Final

Com Matthijs de Jongh, Stephen Bennett, Dinesh Chhetri
De Johan Kramer, 2003

Desapontados com a seleção holandesa, que não conseguiu se qualificar para a Copa do Mundo de 2002, o torcedor Matthijs de Jongh e o diretor Johan Kramer resolveram organizar e documentar uma partida de futebol entre os dois piores times no ranking da FIFA: as seleções do Butão, uma ex-colônia indiana que tem como esporte nacional o arco e flecha, e de Montserrat, uma ilha no Caribe pertencente ao Reino Unido, devastada por erupções vulcânicas e apaixonada por cricket. O jogo foi marcado para o dia da final da Copa, e enquanto o Brasil ganhava da Alemanha por 2-0 e conquistava o pentacampeonato no Japão, algo bem diferente ocorria nos gramados de Thimbu, capital do Butão. Para os butaneses e os caribenhos de Montserrat, o maior legado da partida não era o título de melhor no futebol, mas a intensa interação cultural que o jogo proporcionou entre os torcedores de dois países tão distintos. O documentário é um retrato inusitado do futebol como uma linguagem global, que se mistura com cultura, religião e política em uma troca de experiências que vai muito além do placar.

5In Orange
In Oranje

Com Yannick van de Velde, Wendy van Dijk, Thomas Acda, Peter Blok
De Joram Lürsen, 2004

O talentoso Remco, de 11 anos, tem um grande sonho: entrar para o a seleção holandesa sub-12. Treinado pelo pai, Erik, que teve a carreira interrompida por um problema no joelho, Remco faz o possível e o impossível para deixar seu grande herói orgulhoso. Quando Erik morre de um ataque cardíaco, Remco se desespera e perde o interesse no futebol. Incentivado por sua mãe e seus amigos, ele precisa encontrar novamente a vontade de jogar, enquanto aprende a superar os obstáculos criados pela perda do pai.


 Brasil

6

Ginga – A Alma do Futebol Brasileiro

Com Sérgio do Nascimento, Robinho, Falcão, Natalie Yomura, Henrique de Araújo
De Marcelo Machado, Hank Levine e Tocha Alves, 2004

Realmente, o que não falta no pé do brasileiro é ginga. E é justamente à procura do futebol arte, do “futebol moleque”, que três diretores partiram para 12 cidades brasileiras, para buscar e contar as histórias de quem joga bola, dança, luta capoeira, tudo ao mesmo tempo. As vidas de Romarinho, Sérgio, Natalie, Paulo César, Celso, Wescley, Falcão, Karine, Garrincha e Robinho tem muitas diferenças: classe, condição de vida, trajetória, oportunidade, mas todas elas se cruzam no sonho e no amor pelo futebol.

7

O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias

Com Michel Joelsas, Germano Haiut, Daniela Piepszyk, Caio Blat, Paulo Autran
De Cao Hamburger, 2006

Ainda que não seja exatamente sobre futebol, o drama de Cao Hamburger é um dos melhores filmes brasileiros que tem como pano de fundo nosso amor pelo esporte. A rotina de Mauro, apaixonado por futebol e jogo de botão, muda do dia para a noite quando seus pais saem de férias inesperadamente. O que o garoto não sabe é que na verdade eles precisaram fugir da ditadura, por serem militantes de esquerda. Mauro então vai para São Paulo e acaba sendo cuidado – e cuidando – por seu vizinho Shlomo, um velho judeu solitário. Enquanto tenta se adaptar à nova realidade, o menino também vive momentos de alegria acompanhando a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970, o ano em que o Brasil conquistou o tricampeonato.

8

Pelé Eterno

Com Pelé, Garrincha, Fulvio Stefanini
De Anibal Massaini Neto

Com filmagem de dribles, lances famosos, muitos de seus 1284 gols e entrevistas com jogadores, amigos e familiares, a cinebiografia do nosso “rei do futebol” desenvolve cronologicamente toda a trajetória de Edson Arantes do Nascimento, desde sua primeira chuteira até a conquista do título de rei, o milésimo gol, os 59 campeonatos… Quase nenhuma nuance da vida do craque deixa de ser investigada e homenageada por Anibal Massaini Neto nesse acervo impressionante de fotos, vídeos, manchetes e colegas que são só elogios. Também pudera.

9

Heleno

Com Rodrigo Santono, Alinne Moraes, Angie Cepeda, Herson Capri
De José Henrique Fonseca, 2012

Não faltavam razões para Heleno gerar polêmica. Dentro de campo, batia um bolão, mas era provocador. Fora dele, vivia uma vida de excessos: de noitadas, de cigarro, de mulheres e de vícios. Vivendo em um sanatório, em 1959, já muito comprometido por uma doença que afetou seu cérebro, Heleno relembra seus tempos de craque no Botafogo. Assim começa a retrospectiva dramática sobre um homem que tinha tudo para ser o melhor, mas se deixou levar pela arrogância e pela glória.

Quem escreveu

Ana Carolina Nicolau
Uma caneca de café e um computador fazem meu mundo rodar. Criei o Take148 porque as consequências criativas da cafeína precisam ser compartilhadas. Eternamente dividida entre a televisão e o cinema. Tenho um diploma em Matemática, mas até agora ele só serviu pra me fazer parecer foda. Não que seja mentira.