7 filmes de cabeças piradas que vão pirar a sua cabeça

112

Falar sobre reabilitação e o efeito da mesma na cabecinha dos milhares de pacientes que entram e saem das clínicas espalhadas por aí, sempre serviu de prato cheio para cenário cinematográfico mundial. Na maioria dos casos, baseados em fatos reais, os filmes abordam assuntos polêmicos, como o método usado pelas clínicas no processo de “cura”, gerando discussões e a aceitação da temática pelo público de modo geral.

Mas nem tudo precisa ser levado tão à sério e ser tão polêmico, pois muitos filmes também retratam a relação paciente-médico de forma saudável, divertindo e emocionando o telespectador. Essa lista tem um pouco do que foi feito e do que virou referência no tema.

1

Garota Interrompida
Girl Interrupted
Com Winona Ryder, Angelina Jolie, Whoppi Goldberg, Brittany Murphy, Jared Leto, Vanessa Redgrave
De James Mangold, 1999

Baseado no livro homônimo, escrito por Susanna Kaysen, o filme conta a trajetória de Susanna, personagem vivida por Winona Ryder, diagnosticada com um transtorno mais conhecido como borderline. Ela é internada numa clínica de reabilitação após tentativas de suicídio. Lá, a paciente vive diversos momentos de conflito, passando pelas fases de rejeição, aceitação e, enfim, superação de seu sofrimento. Cria um certo vínculo com suas colegas, em especial com Lisa Rowe, a personagem sociopata vivida por Angelina Jolie, que venceu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel.

Com um roteiro forte e um elenco de peso, o filme se diferencia pelo fato de não mostrar só os pontos negativos de uma clínica de reabilitação, como tratamento de choque e o uso de remédios tarja preta. Aborda também o relacionamento saudável entre Susanna e sua psiquiatra, a relação amigável com a enfermeira vivida por Whoopi e seu envolvimento com as demais personagens.

2

 Um Estranho no Ninho
One Flew Over the Cuckoo’s Nest
Com Jack Nicholson, Louise Fletcher, Christopher Lloyd, Danny DeVito, William Redfield, Brad Dourif
De Milos Forman, 1975

Adaptado do romance do autor Ken Kesey, que escreveu o livro baseado em suas próprias experiências ao trabalhar numa clínica psiquiátrica, o filme segue a trajetória de Randle McMurphy, vivido por Jack Nicholson em uma das suas interpretações mais memoráveis.

Randle é um malfeitor preguiçoso em condicional, que se passa por “louco” para se livrar da prisão, acreditando que uma clínica o daria mais conforto e bons tratos. No entanto, em sua estadia, McMurphy se dá conta de que as coisas não funcionam bem assim. Ele passa a influenciar seu grupo:  o adorável Martini (Danny DeVito), o chato Harding, (William Redfield), o doce e problemático Billy (Brad Dourif) e o abestalhado Tabler (o eterno “Doc”, Christopher Lloyd). A partir daí, ele bate de frente com a enfermeira maldita, Mildret (Louise Fletcher).

Quando percebe a real condição de seus colegas, McMurphy se dá conta de que não passa de um estranho no meio daquela confusão toda, e enfrenta problemas sérios quando tenta se impor àqueles que visam a “cura” de seus pacientes.

3

Ilha do Medo
Shutter Island
Com Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Bem Kingsley, Michelle Williams, Emily Mortimer
De Martin Scorsese, 2010

Baseado em Paciente 67, livro do consagrado autor Dennis Lehane, o filme segue o detetive policial Edward Daniels (Leonardo Dicaprio, em sua quarta parceria com Scorsese) e seu parceiro Chuck (Mark Ruffalo). Os dois são chamados para investigar o desaparecimento da paciente Rachel Solando (Emily Mortimer), internada numa clínica psiquiátrica afastada da cidade.

Aparentemente, o filme trata de uma investigação policial, mas logo no início da trama surgem aspectos que enfocam um tema mais profundo. Suspeitos, como médicos e outros funcionários misteriosos e tenebrosos da clínica, constroem uma atmosfera sombria, que segue o filme até o final. Inclusive, Scorsese fez com que o elenco assistisse a filmes como Fuga do Passado e Um Corpo Que Cai no set de filmagens para criar tal atmosfera.

O policial é um personagem confuso e aflito, que parece ser consumido pela loucura de outros. No processo de investigação, Edward começa a ter flashbacks e visões de sua falecida esposa, o que o prejudica (ou ajuda?) a investigar o caso Solando.

O filme aborda questões sérias como a lobotomia e outros métodos de tratamento de loucos criminosos, tidos como psicóticos, desvendados no decorrer do filme.

4

Terapia de Risco
Side Effects
Com Rooney Mara, Jude Law, Katherine Zeta-Jones, Channing Tatum
De Steven Soderbergh, 2013

O filme cria uma atmosfera trágica e melancólica, com um quê de suspense logo nos primeiros 15 minutos. Não tem como não se prender à trama.

Protagonizada por Rooney Mara, a personagem Emily Hawkings acompanha a liberdade de seu marido (Channing Tatum), que acaba se sair da prisão, por “crimes de colarinho branco”. Emily estava deprimida com a ausência do marido, mas mesmo após seu retorno continua em péssimo estado e tenta, sem sucesso, cometer suicídio.

É a partir daí que a trama se desenrola. No hospital, Emily é atendida por um psiquiatra (Jude Law) que transcreve um novo remédio, indicado para pessoas com ansiedade e depressão, seguindo os conselhos de uma colega psiquiatra (Catherine Zeta-Jones). Após tomar os remédios, Emily se comporta de maneira estranha e torna-se vítima de uma conspiração da indústria do dos remédios controlados.

Internada em uma clínica de reabilitação, nas mãos de seu psiquiatra e da polícia, Emily luta pela liberdade e por sua sanidade mental.

 5

O Bicho de Sete Cabeças
Com Rodrigo Santoro, Othon Bastos, Cássia Kiss, Caco Ciocler, Luís Miranda
De Laís Bodanzky, 2000

Baseado em fatos reais, numa adaptação da autobiografia Canto dos Malditos, de Austregésilo Carrano Bueno. A obra conta a história de Neto, um jovem comum, vindo de uma família comum, com amigos comuns e hábitos adolescentes comuns. Rodrigo Santoro é o intérprete, numa atuação magnífica, que o fez a ser levado mais à sério como ator a partir daí.

Depois de seu pai (Othon Bastos) encontrar um baseado de maconha em seu casaco, Neto é levado para uma clínica de reabilitação, com o intuito de se “desintoxicar”. O drama do jovem compõe um dos filmes mais pesados dessa lista.  O Bicho de Sete cabeças mergulha literalmente de cabeça nos problemas dos hospitais psiquiátricos do Brasil, mostrando a falta de infraestrutura e os maus tratos sofridos pelos pacientes. Nessa linha, médicos e enfermeiros protagonizam os abusos nos tratamentos, invocando métodos de tratamento que incluem choques, “solitárias” e medicação excessiva.

O filme também explora o relacionamento pai e filho após os acontecimentos, e como o tratamento afetou a vida de Neto fora da clínica. Bem recebido pela crítica e pelo público, gerou um debate sobre o tema e recebeu diversos prêmios, inclusive no Festival de Brasília e o Grande Prêmio Cinema Brasil.

 6

28 Dias
28 Days
Com Sandra Bullock, Dominic West, Viggo Mortensen, Alan Tudyk, Mike O’Malley, Susan Krebs
De Betty Thomas, 2000

Em contraposição com O Bicho de Sete Cabeças, 28 Dias pode ser considerado o filme mais leve dessa lista, por sua pegada mais tranquila e despojada, seguindo o gênero comédia dramática.

Estrelado por Sandra Bullock, apresenta a vida de Gwen Cummings, uma jornalista que enfrenta o alcoolismo, mas não admite o problema. Após arruinar o casamento da irmã, causando e sofrendo um acidente, Gwen se depara com duas opções: cadeia ou reabilitação. Ela escolhe a rehab, e é sentenciada a passar 28 dias por lá. Ainda assim, se recusa a aceitar o tratamento e não assume responsabilidades.

A trama enfoca bastante o relacionamento de Gwen com os outros pacientes e com os responsáveis pelo tratamento que, a todo momento, tentam ajudá-la a olhar para si mesma, à procura da aceitação da doença.

Em diversos pontos, o filme diverte. Elenco, trilha sonora, enredo e roteiro – assim como Garota Interrompida –, expõem o lado positivo de um tratamento realizado de maneira adequada.

7

Don Juan de Marco
Don Juan de Marco
Com Johnny Depp, Marlon Brando, Faye Dunaway
De Jeremy Leven, 1995

A obra traz Marlon Brando, Johnny Depp (que só aceitou o papel porque Brando estava no elenco) e de quebra Faye Dunaway. Produzido por ninguém menos do que Francis Ford Coppola. E aí? Tem como não ser bom?

Trata-se da trajetória de um jovem (Depp) que, após perder um grande amor, entra em grande depressão, acreditando ser Don Juan de Marco, um conquistador emblemático.  Vestido como o próprio, com direito à máscara preta a la Zorro, o jovem ameaça pular de um prédio, desejando a morte. No resgate, aparece o psiquiatra Jack Mickller (nosso grande mestre, Marlon Brando), que já cansado e de olho na aposentaria, tenta sem muita vontade ajudar o rapaz, iniciando um tratamento.

Os protagonistas cativam um ao outro. O psiquiatra fica maravilhado com as histórias de “Don Juan”. O personagem fala com tanta paixão que o doutor se vê inspirado, e leva tal inspiração para seu casamento. O filme passa a ser mais sobre o amor e como é estar apaixonado do que sobre o processo de tratamento, e acaba entrando na categoria que aborda “lados positivos” de uma clínica de reabilitação. Numa das cenas mais emocionantes, o jovem admite ter, de fato, um problema.

Don Juan de Marco foi indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro na categoria Melhor Canção Original, Have You Ever Really Loved a Woman?, de Bryan Adams (brega e linda). 

Quem escreveu

Juliana Uzeda
Amante de cinema, roubou para si toda a bagagem cinematográfica da mãe. Fica inspirada e se emociona nos filmes em que vê um pouco de si mesma. É incapaz de escolher um filme favorito. Gosta de ficção científica, fantasia, gângster, máfia, heróis e clichês. Fissurada por personagens neuróticos a la Woody Allen a loucos transtornados a la Kubrick. Aspirante a estudante de cinema, não se imagina fazendo outra coisa (apesar de tentar).
  • Lucia Nunes

    Adorei a lista e vi todos os filmes. Em especial, ” Um estranho no ninho ” , Parabéns Juliana, continue escrevendo e dando dicas interessantes .

  • Anônimo

    Arrasou Juuuuu! Despojadissima hahahhahah ihii